18/06/2013

O fabuloso (ou não) mundo da Thania!

Logo q eu engravidei, embora tenha sido muito desejado por mim e pelo meu marido, qdo tivemos a certeza q era de verdade, eu entrei em pânico. Assim como foi qdo engravidei da Anna. Mas o pânico foi outro.
Qdo eu fiquei grávida da Anna e morria de medo e não conseguia relaxar, as pessoas e até eu, tinha certeza q era o tal medo daquilo q eu não conhecia!
Medo das responsabilidades q viriam, medo de não saber ser mãe (bobagem!), medo do parto, medos de coisas pelas quais eu nunca havia passado. E óbvio q tudo isso gera um medo infinito!
Mas e aí? Eu, grávida pela segunda vez e com medo tudo denovo? Mas medo de que se eu conhecia já tudo q me aguardava? 
Ah, esse é o ponto!
Medo do q a gente conhece minha gente, é pior do q medo do desconhecido. 
Pq o medo do desconhecido, é um medo q não é real. A gente tende a aumentar as coisas, fazer de pequenos monstrinhos, monstros enormes e feios e as vezes a gente se surpreende e vê q aquilo tudo q imaginamos nem era assim tao assustador. Ou era. Ou era pior. Aí q ta o problema. Se a gente tem medo de uma coisa e passa por ela e percebe que "caramba é PIOR do q eu pensava" e vai passar denovo, vc SABE q é bem pior, vc sabe o q te espera e aí meus amigos, dá aquele pânico sem fim!

Mas meus medos agora são outros.
Continuo com medo da responsabilidade, da falta de sono (eu não tinha medo disso na gravidez da Anna, me ferrei! rs), do parto (sim, medo infinito), da vida com 2 filhos, medo de não ter grana, medos, medos, medos. Medos naturais. Mas eu tenho outros medos bobos, q eu choro ao falar, q eu sofro e q me fez ir buscar ajuda de um profissional, ou seja, um psicólogo!
Medo de estar TRAINDO a Anna.
Hã? Ta louca? como assim?

Não é fácil admitir isso.
Mas engravidar pela segunda vez me fez sentir uma péssima mãe pra Anna. E sabemos q não é isso. Mas eu preciso de uma pessoa graduada pra me falar q eu não posso pensar dessa forma.

Outro dia, num papo com a minha prima, q tem 3, eu disse, em lágrimas "como vou amar esse filho tanto qto eu amo a Anna?". Pois é, por muito tempo eu parei pra pensar nisso, até q entendi e descobri q o amor não se divide e sim só se multiplica!
Mas mesmo assim não é fácil!
Já me peguei pedindo desculpas pra Anna, já me peguei "justificando" certas coisas à ela q ela mal entende, do tipo "viu filha, nada vai mudar na sua vida, eu vou continuar te amando, blá, blá, blá". Bobagens. Ela não entende nada ainda, mas mesmo qdo passar a entender vai me agradecer pelo irmão q dei à ela e vai sempre na vida saber q eu nunca dividi o amor deles...

Mas pra eu chegar à esse patamar de pensamento, muita coisa aconteceu, muita lágrima eu derramei, muita coisa eu questionei. Sim, sou fraca e confesso q questionei se havia feito a coisa certa ao engravidar denovo.
Natural esse tipo de questionamento. Por N motivos q só eu sei e q não cabe nesse post, num próximo talvez.

Mas não, ainda não passou!
Ainda tenho meus medos, meus questionamentos, minhas crises. E qtas crises! E quem sofre sozinha sou eu! Pq se eu sair por aí falando as coisas q estão entaladas no meu coração, ng mais me aguenta! 
Eu sou uma pessoa bem fácil de cansar! Cansar as outras pessoas!
Enfim...nõ tô aqui tb pra me auto denegrir.

Hj só tô desabafando.
Não sei se só eu, mãe de segunda viagem, me sinto assim, ou se todas passam por isso.

E aí?


13 comentários:

Joana disse...

Thania, te entendo perfeitamente, pois minha segunda gravidez tb foi planejada, muito desejada, mas esses medos pintaram por aqui... A sensação de estar traindo o primeiro, não, afinal, tenho dois irmãos e sei o qto isso é bom, mas qdo ele começou a sentir, a mudar o comportamento com a proximidade do parto, rolou uma culpa, sim... Mas passou rápido! Sempre o envolvemos na gravidez, expliquei com antecedência o que aconteceria, q a mamãe dormiria fora de casa uns dias, qe não poderia pega-lo no colo, mas sempre deixei claro que ele estaoa rodeado de pessoas que ama e que me "substituiriam" nesses momentos... Assim, nada foi inesperado pra ele... A irmã "trouxe" um presente pra ele, explicamos que ela traria pq já o amava muito, foi ele quem escolheu o nome dela!!! E ele tem a idade parecida com a da Anna, acabou de fazer 3a... Agora, o q mais entendo do seu relato é o medo de não conseguir amar o segundo tanto quanto o primeiro... Sei lá, eu amo tanto, mais tanto, o Enzo, que na minha cabeça era impossível sentir um amor igual por outro! Bom, a Luiza nasceu há 6 dias e eu aprendi que não só a amo tanto quanto o irmão, como meu amor por eles só fez crescer nos últimos dias.... Amo o Enzo ainda mais do q amava antes dela, principalmente ao ver o carinho que ele tem com ela, e amo minha borboletinha mais e mais a cada dia! A mudança no comportamento dele (ficou mais agitado) do durou até a mamãe voltar pra casa e agora a primeira coisa que ele faz ao acordar é procurar a "minha irmã"! Então, fique tranqüila, envolva sua filha nos preparativos, peça a opinião dela na escolha do nome, ao arrumar a mala da maternidade, preparar tudo pra chegada, para q ela perceba que é ela quem etá ganhando!!! E paciência para lidar com ela nos primeiros dias, o q é natural!!! Bjooos

Thania disse...

Joana...MUITO obrigada pelo seu relato! Amei!
Beijos e parabens pela princesa recém chegada!

Suzana Lira disse...

Nossa amei seu post...tão cheio de verdadessss!!!!!!!!!

Beijos

Pollyana Noronha disse...

Lindo post, sincero, cheio de sentimento e verdade..Ser mãe é assim mesmo, para sempre teremos MEDO de não ser a melhor em tudo oque fazemos, mas tenha certeza de que você é sim e vai continuar sendo a melhor mãe que seus filhos precisam ter.

Carol Celeghin disse...

Acho que medos como os seus são normais, pois evitam que façamos coisas erradas e não dão ponderamento. O importante é que seus filhos são muito amados por você e esse amor os fará vencer qualquer medo.
Ah! Consegui confirmar o sexo do meu bebê... é um MENINO. Minha luta para encontrar um nome de menina acabou com a confirmação da chegada do Lucas... hehehe.
Quando você vai confirmar o sexo de seu bebezinho? Sofro de ansiedade alheia... hehehe.

Beijinhos... Carol Celeghin
http://carolinaericardo.blogspot.com

disse...

Amigaaaaaaa,
Eu te entendo a beça, pois tenho medo de tudo e o fator mais forte que me fez desanimar em ter o segundo foi o simples fato de já ter pouco tempo para o Dudu. mesmo sendo pouco tempo, mas de total dedicação, carinho e cuidados eu me culpo e me justifico o tempo inteiro... loucura né!
Hoje mesmo quando levei Dudu para acreche fui falando que o amava demais e que sempre estou perto dele e qq coisa era só pedir para a tia me ligar, isso pq ele tá com febre e eu nesse perrengue do trabalho né... ser mãe é isso amiga, coisa de maluco!
mas só quero que você tenha certeza que não é a única a passar por esses medos e conflitos, eu tb me questiono se amaria outro filho porque sou alucinada pelo Dudu.
Beijos amiga!

Carol disse...

AAAh, Than! Normalíssimo!!! Eu acho que todas nós sofremos com diversos questionamentos!
Acho que apenas uma pequena parcela de mães engravida se sentindo confiante que tudo dará certo! :-D
Olha, não estressa não! Veja como a Anna é linda, bem cuidada e tudo isso quem fez, foi vc! Com este novo baby,não será diferente! :-D
You can do it! heheheheheh #obamafeelings!
Bjoks
Carol
www.meuparasita.com

Renata C.B. disse...

"Medo do q a gente conhece minha gente, é pior do q medo do desconhecido."

nossa, pra mim disse td nesta frase!!!
e é por isso q eu MORRO de medo de ter o segundo, medos e duvidas q ñ tive qdo quis engravidar pela primeira vez...já cheguei a virar tentante de novo por 2 meses e voltei a pilula, pq acho q ñ to preparada...

qto a questão do amor, eu te entendo...apesar de ñ ser mãe de dois, tenho certeza q, se fosse, teria este grilo na cabeça tb...

ñ ajudei em nada né, rs...mas as mamães de dois (3, 4...) estao aí pra provar q td se ajeita e q o amor relamente só se multiplica!

fique bem aí com seus 2 anjinhos!

bjs

Dani Rabelo disse...

Than, eu não posso ajudar, do verbo AJUDAR, né? Pq não tenho um segundo filho e tals, mas posso te dar um ombro bem amigo e dizer que muitas mães passam por este medo que vc fala, medo de viver tudo de novo (eu tenho, só de pensar em um outro RN, gostaria que o meu próximo filho nascesse com 6 meses), o sentimento de trair o filho mais velho... isso me soa tão natural. Tão real. Tão próximo! E acho que tem que ser muito bem trabalhado, tratado, estudado, pensado e repensado sim, até que vc entenda perfeitamente que nada vai mudar em relação à Anna Laura e entrar em uma fase de "zero neuras" com isso. Essa fase de não ter neuras quanto ao segundo filho só chega quando o medo de não amar ou de trair for bem trabalhado na mãe. Eu acho.

De toda forma, tenha o meu abraço mais singelo!

Beijos grandes!

Kaah Maia disse...

Ai desculpa , mais eu tive que rir e ri muito mesmo , medo de trair a Anna , kkk ... É claro que eu não entendo pq eu não passei por isso , mas foi muito engraçado a forma como vc colocou a coisa toda ...

E lógico que eu não tenho NADA a dizer sobre isso, só que como filha que era caçulinha e perdeu pro irmão que tudo que vc fizer pra ele faça pra ela EXATAMENTE IGUAL sem um ponto de diferença , por que acredite esse ponto faz diferença , eu lembro que achava ( ainda acho kk ) que minha mãe preferia meu irmãozinho por causa de cada coisa besta , e olha que eu ja tinha 09 anos , eu queria colocar frauda , queria mamar no peito , queria dormir no berço , queria dormir no quarto deles , e lógico que minha mãe não fez nada disso , pq né eu tinha NOVE anos, e eu até fiquei DOENTE por isso ... eu lembro kkk

Grande Beijo , eu sei que tudo isso vai passar, boa sorte ♥

http://rebeccaabordo.blogspot.com.br/

Fafá disse...

Adoro sua honestidade....
Todas as vezes que eu penso em engravidar é o medo de "amar diferente" que me paralisa...
Em todas as famílias com mais de um filho sempre têm um "aparentemente" mais querido pela mãe ou pelo pai, mas eu não sei até que ponto isso é real em matéria de sentimento, pq obviamente se vc perguntar para esses pais se eles se identificam mais com algum filho, eles iriam negar...rs!

Sei que não ajudei, mas penso muiiittooo nisso e espero de coração ainda ver um post seu rindo disso tudo e contando que era só bobagem....

Eu tenho duas irmãs e não sei o que seria da minha vida sem elas...então acho que mesmo que o novo bebê gere atrito a Anna ainda vai te agradecer muito por ter dado à família mais esse presente...irmão é tudo de bom! Tenta inserir ela na rotina, pede ajuda p ela na escolha de coisas simples para o bebê, faz ela se sentir parte de todo esse mundo novo que está por vir que com certeza será mais fácil pra ela entender e gostar da chegada do irmão(ã)...

Beijinhos

Anônimo disse...

Não sei se todas as mães de segunda viagem passam por isso, mas acredito que grande parte.. Eu passei... Chorei muiiiiito durante a segunda gestação.. Senti muita culpa, medo da minha princesa se revoltar e se sentir abandonada em segundo plano. Tive medo de não dar conta das despesas e ter que dar um padrão de vida menor a Lele... Tive medo de não amar tanto o segundinho... Tive medo do dia a dia com dois... Enfim chorei muitao! Hoje o Davi tem 5 meses já.. Amo ele IGUALZINHO a Helena, sem tirar nem por... Estamos dando conta das finanças, deixamos de fazer p mim e p marido e fazemos por eles.. A Helena tá linda não regrediu, não se revoltou, ama MUITO o maninho e continua me amando (hehe) tem pouquíssimo ciúme(qndo tem, incluímos ela, fazemos participar e pronto, já fica feliz e acabou o ciúme). Ela participa de tdo e tem livre acesso ao irmão, nunca o machucou ou fez "maldade". Não gosta que os outros peguem o mano e nem deixa ele ficar com ngm, pois ela diz que ele é nosso! Protege e brinca mto com ele... Já existe um amor lindo entre eles.. Uma troca de olhar que me tira o fôlego.. Sinto um orgulho imenso ao olhar pra eles!! O dia a dia não é fácil, eu e marido nos ajudamos mto pra dar certo.. Mas com certeza é mto alegre e feliz, não troco por nada e tenho a certeza de ter feito a coisa certa! São nossa maior riqueza, a nossa razão de viver! Tha Albini Assis.

Anônimo disse...

Than ainda me pego tentando compensar a Helena pela atenção e tempo que o Davi requer... Mas é coisa de mãe.. Tento fazer meu melhor sempre e o lema é o que vc citou tento não escolher não dividir e sim multiplicar... Eu e marido trocamos tarefas, como cada dia um da banho e em um e faz dormir o outro... Assim tanto a Lele como o Davi nos tem sempre por perto... E está dando certo! Bj Tha Albini Assis.

redirect